segunda-feira, 27 de março de 2017

Qualidade e segurança como parte da assistência, não adjuntos...

Lendo Antifrágil, de Nassim Nicholas Taleb, reforço minha tese de que qualidade e segurança não devem seguir externos a quem faz as coisas de fato.

De cima para baixo, vendem supostas soluções perfeitas. Mas Taleb aposta na imperfeição de quem faz, mais do que nos controladores ou acadêmicos.

Seria como apostar em/estimular profissionais da ponta para melhorias em qualidade, mais do que "especialistas" em qualidade.

Mas nós médicos e enfermeiros julgamo-nos muito atarefados. Por causa disso, segundo Taleb:

"Em nenhum momento da história tantas pessoas que não assumem riscos exerceram tanto controle".

"Assim como os pais neuroticamente superprotetores, aqueles que estão tentando ajudar são, muitas vezes, os que mais prejudicam."

O movimento da qualidade e segurança na saúde, dissociado de quem faz, é um adorável comércio, e, lamento dizer, uma grande farsa. Claro que não absoluta, como praticamente nada é.

Tentei historicamente promover um médico que contasse no seu currículo com qualidade e segurança [o hospitalista]. Poucos entenderam até hoje, insistindo em separar cabeça (qualidade e segurança) e corpo (assistência propriamente dita). Eu próprio hoje voltei a trabalhar as coisas em separado - e reconheço com tranquilidade minha limitação em conquistar resultados em melhoria de processos, justamente quando estou remunerado mais especificamente para isto.

Profissionais da qualidade e segurança não precisam ficar brabos. Acho que a culpa maior é justamente dos profissionais da ponta, que não demonstram o interesse necessário (seja porque o sistema não remunera, seja porque não possuem as competências e habilidades necessárias).

Profissionais específicos da qualidade e segurança deveriam ser como a Medicina Baseada em Evidência (vejam a importância que lhes dou ao os comparar com o que mais admiro na saúde): um norte, um apoio. Mas "apenas" isto...

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Co-manejos entre hospitalistas e outros médicos: como fazer?



A mensagem de Whatsapp é real. Assim não tem como funcionar! Percebam que o hospitalista não diz não. Diz que vai ajudar os colegas. Um bom grupo de MH tenta sempre ajudar!

Buscou, num segundo momento, correções de rumo com a Direção. Sem sucesso. Não há paciência que dure eternamente.

Assim não haverá casamentos em co-manejos, nem mesmo entre hospitalistas e hospitais.

Clica na imagem e leia artigo de SaúdeBusiness. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...